27.8.19

Cruç de Alcança Lhobos

Cunta-se que nesta squina de la tierra de Tiu Martinico, an Alcança Lhobos, bien na ancruzelhada de l camino pal Naso cun l camino de Custantin para San Martino, habie ua cruç de palo. Hai uns anhos, na squina, de l lhado de fuora fui achada ua piedra que tenie ua poça  quadrada adonde la cruç assentaba. 
Essa piedra fui pal lhugar i quedou a cuidado de la Junta.
Este anho, Altino Torrão (Altino de la Maçana cumo muitos lo conhécen) resuolbiu, i bien, poner ua cruç de piedra por andrento de la parede para lembrar la outra antiga de palo que staba de l lhado de fuora. Bien háiades Altino

l camino adreitos a Peinha Redonda

l camino adreitos a Matáncia i los Cubos

La cruç a la selombra de los carrascos

Duonos dies i Buonas Fiestas

20.8.19

Pendon de Cicuiro II

Cumo fui screbido onte, la recuperaçon de l pendon yá ampeçou. 
La purmeira son estes dzeinhos que eiqui se apresentan para mandar fazer  pinduricalhos para que las chabes nun se péndan. Nua de las caras quedará un campo para screbir l nome de cada chabe. Assi que steian los pinduricalhos prontos, eiqui se dará rezon ma anquanto i nó aceitan-se anquemiendas.


Buonas tardes i Buonas fiestas

19.8.19

L Pendon de Cicuiro

Ye l Pendon más antigo de la Tierra de Miranda i que inda sal an prociçon ou an dalguns dies de fiesta. Stá belhico - diç que ten más de cien anhos - mas inda cunsigue poner un cicuirano cun pel de pita quenado sbolácia, solo ou entre armanos. L anho que ben pensamos que se baia a reformar porque yá bai sendo tiempo de dar campo a outro cun panho nuobo. Este quedará, assi speramos, para sempre guardado adonde se puoda ber por quien assi querga.
Cun ajudas de todos si bamos a ser capazes de lo reformar. La ampreitada ampeça agora, cumo tal quedai atentos, hoije que ye l die mundial de l Retrato.
Buonos dies i Buonas fiestas a todo mundo!

7.3.18

Padre Zé - 97 anhos - "L Carrelhon" "O Carrilhão"


Longe no tempo e no espaço
Ouço a voz dum carrilhão soando a compasso
Crebro, indefinido.
Paro no tempo e procuro decifrar
Que voz de longe me vem e faz parar?
Donde chega este soído?
Trezentos anos, dia a dia, já passaram.
Neste tempo, dois carrilhões reboaram,
Espaçadamente,
Por quebradas, aldeias, vilas e montes
Como águas limpas borbulhando das fontes,
De nascente a poente.
Escuto atentamente no sossego da tarde
Quando, ao pôr do sol, o horizonte arde
Em sanguíneo arrebol.
Que aragem traz este som que aturde e passa?
– Escuta, não ouves o carrilhão de Mafra 
Num adeus ao Rei Sol?
Há todos os dias o toque das trindades
Em horas calmas de meditação e saudades
Na orla em que escurece.
Era em mil setecentos e dezassete,
Das trindades nos vinha um lembrete
De Múrmura prece.
Silêncio! Orai nestes limbos de penumbra,
De muito longe, um eco, em surdina, retumba
E nos faz concentrar!
Não, não fala em vão a alta voz dum carrilhão
Que dos ouvidos nos desce ao coração:
Ela convida a rezar.
Que nos revelam os altos bronzes sagrados
De firmes torres e zimbório aprumado
Alardeantes de vida?
Dos sinos o bimbalhar sobe até ao céu.
A vida é um crescer: assim fizera eu
Com asas na subida.
El Rei D. João Quinto fique ora descansado:
O voto ao Altíssimo foi abençoado
Dando-lhe um herdeiro.
Os Mafrenses têm ali um quinhão na herança:
A Basílica, o Paço Real - fé e esperança
Que não se trocam por dinheiro
Poema de l Padre Zé por oucasion de l 3.º Centenairo de l ampeço de la construçon dde l palácio Real de Mafra

7.1.18

La Fiesta de Santo Antonho

Onte, die de Reis, Santo Antonho saliu a la ruga. Nun houbo foguetes, mas de biespera, apuis de la nobena, sonóran alto los chocalhos,  squilas i squilones, tocou alto la gaita de fuolhes, bombo, caixa i cuncertinas anquanto se saboreában las chouriças.
Bien haia a los mardomos, Mário i família, Antonho Cebolho i família, además de todas las personas de l lhugar i de fuora que badalhóran, tocóran i beilóran.
Pal anho haberá más ... antremoços tamien.










27.9.17

La Caleija de l Rei i l Tratado de Alcanhiças

Hoije traio bos eiqui este retrato porque – anquanto nun aparecir decumentaçon berdadeira – la stória nun puode ser screbida, ou rescrebida cumo mos deia la gana. I fago-lo, cumo siempre fize, sien mirar a quien  – cousa que bien podeis cumprobar – porque nun tengo miedo de las palabras, las mesmas que nun regateio a naide siempre que beia la cultura mirandesa, las tradiçones i la berdade tratadas cum çprézio i por uso abusador de las mesmas.
Ora, a miu ber, esta placa relata ua falsidade i más nun parece do que ua artimanha para screbir la stória dua maneira que que ls antoantes – ls nomes alhá stan - parécen ls berdadeiros  personaiges dessa stória. I digo isto porque:

1 - Cristina Torrão, no sou libro “Dom Dinis – a quem chamaram o Lavrador” ISBN: 9789892064505, diç no capitlo TRATADO DE ALCAÑICES:  “a 4 de Julho, uma comitiva que incluía a família real deixava Coimbra, em direção a Trancoso. A presença dos dois infantes justificava-se pelo facto de, no tratado a ser assinado, ficar estabelecido o duplo consórcio: a união da infanta Constança de Portugal com el-rei Don Fernando IV de Leão e Castela e o matrimónio do infante Afonso de Portugal com a infanta Beatriz de Castela.
… A comitiva incluía ainda uma data de personalidades que outorgariam o tratado: o arcebispo de Braga Dom Martinho Peres de Oliveira, o bispo de Lisboa Dom João Martins de Soalhães, o Bispo do Porto Dom Sancho Pires Froião, o bispo de Lamego Dom Vasco Martins de Alvelos, o Mestre dos Templários Frei Vasco Fernandes, o Mestre de Avis Frei Gil Martins, o mordomo-mor João Afonso Telo, o alferes-mor Martim Gil de Riba de Vizela, o meirinho-mor da casa do rei João Simão de Urrô e ainda vários ricos-homens ligados à corte e que costumavam confirmar forais …
A comitiva atravessou o Douro em Vila Nova de Foz Côa, seguindo o curso do rio para norte, ao longo das margens rochosas, de grandes precipícios, fazendo estação em Miranda do Douro.
… O Tratado de Alcañices foi assinado a 12 de setembro. Um dia mais tarde, os bispos de Portugal e Castela ali presentes firmaram um acto de concórdia para defesa dos seus foros e privilégios.
No regresso, a família real portuguesa quedou-se pela região raiana, pois Dinis pretendia assegurar-se das suas novas possessões.”

2 – Pul que diç la scritora, l camino Miranda / Alcanhiças ha-de ser feito nas biesperas de die 12 de setembro desse anho.

3 – L caminho más adreito será pul balhe de l Frezno, Infainç, Custantin, Cándena; Bobineira, Alcanhiças. Desta maneira, pensamos que ye oubrigatório passar pul Mourisco, Rodeira Çancas, Carba, Touça l Cuco i Cousses no termo de Custantin i pula Touça l Cuco, Facho, Lhagonica, Sierra, Peinha de l’Almagreira i Cándena no termo de Cicuiro.

4 – I l melhor caminho i más praino, porquei? Nun mos podemos squecer que ls anfantes inda son ninos. Además, cua camarada tan grande i de personas tan amportantes, a nuosso ber, custoso serie metéren-se por San Martino porque ls caminos para alhá chegar, ribeira arriba para seguir até Alcanhiças inda tenien menos cundiçones (piçarreiros i barreiras) que l Carril Mourisco i l caminho por Infainç.

5 – Cumo, até agora, naide amostrou nada que faga proba de l que diç la piedra, nien chamadeiros no termo que mos fágan pensar an D. Donis ou noutro rei, essa piedra nun passa dua mandrángula para apanhar botos i amostrar obras que nun se fazíran. Se dalgun lhugar puode dezir que ten relaçon cun reis, esse ye Cicuiro  porque , que se saba, ye, nesses alredores, l único que ten un chamadeiro que se puode relacionar cula realeza: l chamadeiro, la Caleija de l Rei. I Cicuiro nun lo fai porque son solo suposiçones.

6 – Ye la maior berdade que San Martino ten ua cultura rica i raízes stóricas mui fondas, cumo ls castros de l Castro i de l Castrelhon.
Ye tierra de personas amportantes cumo l Abade Sardina, un grande poeta mirandés, de ls purmeiros a screbir na nuossa lhéngua, amigo personal de José Leite de Vasconcelos i de Antero de Quental, un home que fui de ls purmeiros lhuitadores pula República “… tengo más de quatro cientos de poemas screbidos, mas solo quarenta son rebolucionários…” diç el nua carta a Leite Vasconcelos.
Mas de l Abade Manuol Sardina naide se dou cuonta quando an abril de 2011 passóran cien anhos de la sue muorte. Naide inda puso un “Memorial” no que sobra de la casa del, al que parece, l curral al lhado de la casa de Tiu Luís Ramon serie la antrada. Inda suobre l Abade, la campa del fui sbandalhada i las piedras azimbradas nun se sabe para adonde.
Tamien tenemos l padre Manuel Preto, un home que sempre dignificou i apendonou a San Martino i la sue mocidade. An 31 de dezembre de 2013 fizo cien anhos que naciu, no molino de ls Terrones. Quien fizo fé disso?
I porque, la memória de ls pobos stá arriba de todo, durante las últimas obras de la eigreija i de l sagrado, dues cousas se cantusóran, cenzielhos oubjetos, que materialmente nada bálen, mas que fázen parte de la Alma de San Martino. Falo de la chabe de la eigreija: la puorta fui puosta nuoba mas la chabe, aqueilha chabe i fechadura grande i antiga que funcionaba bien, cantusóran-se ou cantusóran-las.
Aspuis, la piedra de l Pendon que staba na parede de l sagrado: sí, essa de que fala Manuel Preto no sou poema “Moços de San Martino” quando diç “Ye Guerrilha quien arrinca l Pendon de la buraca …”. Adonde anda la buraca?!
Todas estas cousas son la Alma que se perde, la Alma que yá ben de tiempos muito antes de D. Donis, cumo l Pendon, burmeilho carmesin adamascado, de dues puntas, que fui resgado an quatro para fazer las bandeiras de l campo de la bola i la bara para troça de las balizas inda l campo era no Cabeço l Xeixo (esta anformaçon fui dada por Tiu Aldino Ribas an 2014).
Tamien i debido a tal …
… quien nada fizo por estas i outras mimórias que son la Alma dun lhugar i dun pobo, nun puode poner un “Memorial” destes no meio desse mesmo lhugar, un “Memorial” que, até proba contra, ten anformaçones que nun pássan de suposiçones.

La stória nun puode ser screbida, ou rescrebida cumo mos dá la gana ou por razones scóncias porque, sien probas decumentales, este “Memorial” passará, por cierto, a fazer parte dua de las maiores lhonas destas eleiçones. Deiqui a caçoar, será un passico. I l lhugar nun merece essa bergonha.

27 de setembre de 2017 - Alcides Meirinhos

An Pertués

Hoje trago-vos aqui esta foto porque – enquanto não surgir documento autêntico – a história não pode ser escrita, ou rescrita a nosso belo prazer. E faço-o, como sempre o fiz, sem olhar a quem – o que pode ser comprovado – porque não tenho medo das palavras, as mesmas que não regateio a ninguém sempre que veja a cultura mirandesa, as tradições e a verdade histórica tratadas com leviandade e por uso abusivo das mesmas.
Ora, na minha opinião, esta placa relata uma falsidade e mais não parece do que uma artimanha para escrever a história de uma forma que os seus autores – os nomes nela constam – parecem os verdadeiros personagens da história. I digo isto porque:

1 - Cristina Torrão, no seu livro “Dom Dinis – a quem chamaram o Lavrador” ISBN: 9789892064505, afirma no capitulo TRATADO DE ALCAÑICES:  “a 4 de Julho, uma comitiva que incluía a família real deixava Coimbra, em direção a Trancoso. A presença dos dois infantes justificava-se pelo facto de, no tratado a ser assinado, ficar estabelecido o duplo consórcio: a união da infanta Constança de Portugal com el-rei Don Fernando IV de Leão e Castela e o matrimónio do infante Afonso de Portugal com a infanta Beatriz de Castela.
… A comitiva incluía ainda uma data de personalidades que outorgariam o tratado: o arcebispo de Braga Dom Martinho Peres de Oliveira, o bispo de Lisboa Dom João Martins de Soalhães, o Bispo do Porto Dom Sancho Pires Froião, o bispo de Lamego Dom Vasco Martins de Alvelos, o Mestre dos Templários Frei Vasco Fernandes, o Mestre de Avis Frei Gil Martins, o mordomo-mor João Afonso Telo, o alferes-mor Martim Gil de Riba de Vizela, o meirinho-mor da casa do rei João Simão de Urrô e ainda vários ricos-homens ligados à corte e que costumavam confirmar forais …
A comitiva atravessou o Douro em Vila Nova de Foz Côa, seguindo o curso do rio para norte, ao longo das margens rochosas, de grandes precipícios, fazendo estação em Miranda do Douro.
… O Tratado de Alcañices foi assinado a 12 de setembro. Um dia mais tarde, os bispos de Portugal e Castela ali presentes firmaram um acto de concórdia para defesa dos seus foros e privilégios.
No regresso, a família real portuguesa quedou-se pela região raiana, pois Dinis pretendia assegurar-se das suas novas possessões.”

2 – No seguimento desta afirmação, o percurso Miranda do Douro / Alcañices teria sido efectuado nas vésperas do dia 12 de Setembro desse ano.

3 – O percurso mais curto será pelo vale do rio Fresno, Ifanes, Constantim, Cándena, Vivinera, Alcañices. Deste modo, pensamos que será obrigatório passar pelo Mourisco, Rodeira Çancas, Carba, Touça do Cuco e Cousses no termo de Constantim e pela Touça do Cuco, Facho, Lhagonica, Serra, Penha da Almagreira e Cándena em Cicouro.

4 – E o melhor caminho e mais plano porquê? Não podemos esquecer que os infantes ainda são crianças. Além disso, com uma comitiva tão alargada e com pessoas tão importantes, em nossa opinião, dificilmente iriam por São Martinho de Angueira porque os caminhos para lá chegar, ribeira acima até Alcañices apresentavam piores condições (xistoso e relevo acidentado) do que o Carril Mourisco (via principal) e o caminho por Ifanes.

5 – Como, até ao momento, ninguém indicou qualquer fonte sobre as afirmações da placa, nem topónimos no termo da povoação que nos façam pensar em D. Dinis ou noutro rei, essa placa não passa de uma artimanha para conseguir votos e mostrar obras que não se realizaram. Se existe alguma povoação pode dizer que tem relação com a realeza, essa povoação é Cicouro porque, que haja conhecimento, é, nas proximidades, o único que se pode relacionar com a realeza: o topónimo, “la Caleija l Rei - A vereda do Rei”. E Cicouro nada reivindica porque tudo são suposições.

6 – É a mais pura verdade que São Martinho de Angueira é detentor de uma cultura rica e de raízes históricas muito profundas, como o castro do Castro e o castro do Castrelhon. É terra de figuras importantes como o Abade Sardinha, um grande poeta mirandês, dos primeiros a escrever na língua mirandesa, amigo pessoal de José Leite de Vasconcelos e de Antero de Quental, um homem que foi dos primeiros impulsionadores da república “ … tenho mais de quatrocentos poemas escritos mas apenas quarenta são revolucionários …” diz ele numa missiva a Leite de Vasconcelos.
Mas do Abade Manuel Sardinha ninguém se lembrou quando, em abril de 2011, se cumpriu o centenário da sua morte. Ninguém ainda colocou um “Memorial” no que restará da casa que habitou, ao que parece o curral ao lado da casa de Tiu Luís Ramon seria a entrada. Ainda sobre o Abade há a referir que a sua campa foi destruída i as pedras da sepultura desmembradas não se sabe para onde.
Também temos o padre Manuel Preto, um homem que sempre dignificou e colocou São Martinho  e a sua mocidade bem lá nos píncaros. Em 31 de dezembro de 2013 cumpriu-se o centenário do seu nascimento. Quem fez fé disso?
E porque a memória dos povos está acima de tudo, durante as últimas obras na igreja matriz e do adro, duas coisas se extraviaram, objetos simples sem valor material, mas que fazem parte da memória de São Martinho.  Falo da chave da igreja: a porta foi colocada nova mas a chave e a fechadura grande e antiga, que ainda funcionava, extraviaram-se ou extraviaram-nas.
Depois, a pedra do Pendão que estava no muro do adro: sim, essa de que fala Manuel Preto no seu poema “Moços de São Martinho” quando diz “É Guerrilha quem arranca o Pendão da buraca …” Onde pára a buraca?!
Todas estas coisas fazem parte da Alma que se perde, a Alma que já vem de muito antes de D. Dinis, como o Pendão vermelho carmesim adamascado, de duas pontas, que foi rasgado em quatro para fazer as bandeirolas do campo de futebol e a sua vara para trave das balizas ainda o campo era no Cabeço do Seixo (informação prestada pelo Sr. Aldino Ribas em 2014).
Também e pelo que foi afirmado …
… quem nada fez por estas e outras memórias que são a Alma de uma aldeia e do seu povo, não pode colocar um “Memorial” destes no meio dessa mesma aldeia, um “Memorial” que, até prova em contrário, contém informações que são meras suposições.
A História não pode ser escrita, ou rescrita como bem nos apetece ou por motivos obscuros porque, sem mencionar as fontes, este “Memorial” passará, certamente, a fazer parte de uma das maiores anedotas destas eleições.
Daqui à troça, será um pequeno passo. E a aldeia não merece isso.

27 de setembro de 2017 - Alcides Meirinhos

22.3.17

You digo l mundo an Mirandés

Retratos para amostrar l mundo que mos ansinóran






















25.1.17

Santo Andrés

La capelhica, ou melhor, l sbarrulhado de la Capielha de Santo Andrés, queda nun puialico de las arribas a un tiro de lapada de la marra Freixenosa - Cérceno.
Ye un sbarrulho cumo muitos que hai por todo l Praino, cumo por eisemplo la Capielha de la Maçaneira an Prado Gaton,  Santo Albin (antes de ser amanhada) an Bila Chana ou San Paulo an Sendin. Mas este sítio de Santo Andrés nun ye eigual a más ningun a nun ser no amuntonado de piedras que drúmen azimbradas al tuoro de ancianas oulibeiras. Deilha bos quiero falar hoije:
Tenie you por ende uito ou nuobe anhos quando me punírun de sacristan por mius pais seren mardomos de San Juan Batista, l patrono de Cicuiro. Miu pai estaba de guarda no posto de la Corredoura, termo de Cérceno, caras a Freixenosa, you i mie mai por Cicuiro i mie armana nos studos an Miranda.
No Deimingo de Ramos ye tradiçon ls mardomos dáren, a la salida de missa, ramos benzidos pul cura, para que todo mundo pudira ir a poné-los nos panes para que tanto piedra cumo nubrina nun díssen cabo deilhes. Ramos de oulibeira! I adonde haberiemos nós de ir a sacar tanto ramo se an Cicuiro nun habie essa árbol? Alhá miu pai amanhou modos de irmos a tener cun el porque nas arribas diç que habie a la farta.
No die marcado, inda sien sol, burro albardado i alforjas de bolretas alhá mos punímos a camino passando la Pruoba, Malhadas, Alto de Bal de Mira, até abaixar a Cérceno adonde almorcemos. Almuorço brebe porque habie priessa i almuorço pesado nun cundezie cun caminadas nas arribas.
Passemos pul camino até la caseta i toca a abaixar adreitos al riu! que galanton tan grande el habie feito! Por fin ua capielha sbarrulhada antre oulibeiras de tuoros mui gordos i retorcidos. Nua parede an frente, un manantial a canalon cheno, auga fresca, clarica, filtrada por aquel abismo de piçarra atrás de nós. Ambaixo, l riu d'auga meio berde, parecie parado cumo quien diç: ouserba-me i sinte cumo sós pequeinho al pie desta naturaleza. A la dreita, ua barreira a prumo adonde solo aiglas i gralhas pousában. You iba çcubrindo aquel mundo anquanto mius pais podában las bordioncas de oulibeira para dar de ramo no deimingo. Dous feixes anriba l burro i ála barreira arriba que no die a seguir habie que tornar a Cicuiro. Bien loinge quedaba la Corredoura!
Més de Agosto de 2012, die 23, andaba you cun Amadeu Ferreira an busca de cruzes, de cuontas i de l que pudíssemos çcubrir pul termo de l Praino. Ampecemos an Miranda, apuis Cérceno a la eigreija, la fuonte mediebal i a Santa Marinha. Eiqui, a la selombra dun gordo castanheiro preguntei le:
- Conheces Santo Andrés?
Respundiu que nó, l que para mi era ua admiraçon mui grande. Anton you de la Raia iba a amostrar le a el ua cousa que era quaije no sou termo? Mas si nun sabie nien nunca naide l habie falado an tal.
Passados tantos anhos yá nun daba fé de l camino que tamien estarie mui demudado i por aquel termo tamien naide habie que mos anformasse: dues horas andemos perdidos nas arribas, por peinhas, escobales i bielhos castros.
Tornemos a la estrada i antre dues binhas, un camino a la esquierda que yá me parecie haber pateado, un camino que passa an zlhado de l que sobra de la caseta de la Corredoura. Tenie que ser aquel l camino, que más abaixo nun tenie salida i oubrigaba a abaixar a pie puosto por un carreiron que atrabessa un portielho de tranqueiro an piçarra a prumo, assi cumo dous fincones gastos adonde ya habie sido sítio de canhiço.
Apuis dun touçon de oulibeiras arrodeadas de silbeirones aparece l portal de troça redonda cun aqueilha cruç que nun parece cruç: la Cruç de Santo Andrés!
Al redor solo l sonido de checharras no rechino de l sol de agosto.
Na parede, inda estaba la fuonte d'auga piçarrenta cun que matemos la sede.
Anquanto Amadeu escrebie, you mirei las mesmas oulibeiras que un die me amostrórun las arribas l riu eilhi tan acerca.
Tornar alhá ... quien sabe?

17.1.17

Santo Anton ou Santo Antonho?



17 de janeiro


Die de Santo Anton de Dzerto - cuincido tamien cumo Santo Antonho, l eigípcio.

Apuis de ler un artigo d’hoije no “La Opinion de Zamora” de sou títalo, “Zamora – los perros gobiernan por San Antón” bieno-me a la eideia la fiesta de Santo Antonho, la que se fai an de Cicuiro todos los anhos a 10 de janeiro.

Siempre fui esta fiesta un ritual ligado a las anfermidades de ls animales i la deboçon a tal santo ben prancipalmente dende, l que nun joga cun ls milagres que tenerie feito Santo Antonho (Fernando de Bulhões) de Lisboua (Pádua).

Se hai Santo a quien son “cunfiados” ls animales ye a Santo Anton (beia-se l causo de San Martino).

Desta maneira, tenemos un Santo a quien fázen fiesta an Cicuiro por curar i tratar de ls animales mas que fai sermones a los peixes, cumbirte binte ladrones dua beç i de malzinas pa la criaçon … nadica. Por outro lhado, tenemos un Santo (Santo Anton) que cura ls animales, ye un de ls Santos más antigos de la cristandade i tamien ye cuincido por Santo Antonho, l Grande.

Ora, assi a las purmeiras i sien más buscas ou estudos, que deixo para outras caliendas ou para quien querga botar mano, la fiesta de Cicuiro na cual se benera Santo Antonho, nun tenerá ourige no Santo Anton / Antonho l Grande?

Ya oubi (tradiçon falada) que la Sierra de Cicuiro (Serra da Luz –nó l Cabeço de la Lhuç) tamien se chamou Sierra de Santo Anton (Antão an pertués).

Tengo para mi que nun naci no die de Santo Antonho (10 de jqaneiro), mas no die de Santo Anton (que se celebrarie an Cicuiro l die 10 i nó a 17 cumo no restante de los lhugares.

18.10.15

Ua ida a las raízes

Diç la stória que ua filha de D. Sancho purmeiro de Pertual fui casada cun l Rei Fonso IX de Lhion, l purmeiro rei que fai las cortes cun preséncia de l pobo. Desse rei inda tubo trés filhos, Sancha, Dulce i Fernando, antes de l Papa anular las bodas porque diç que eran primos. Desse apartamento resultou que la dita D. Teresa tornou a Pertual, al cumbento de monjas de Cister an Lorvão, adonde se morriu.











Hoije, 18 de outubre de 2015 fui la ultima cerimonia de los trezientos anhos de la trasladaçon de las ossadas de la reina para un caixon de bidro i prata que repousan nun altar de la eigreija desse cumbento.






Nessa cerimonia, adonde tamien fúrun cumbidados los Pendones de Miranda, stubo presente ua delegaçon de Lhion que antre outros, lomeio: D. Alicia Valmaseda Merino; D. Hermenegildo, de la Ounibersidade de Lhion; D. Mercedes i Pedro Moreno Fernández de Cultural Norte.



Desta maneira, tamien Lhion  fizo houmenaige a ua de las sues reinas. Bien háiades.